Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A reportagem do “Jornal Nacional” começa com pesar: “na foto oficial, os líderes fizeram pose com um sorriso amarelo”… E não é de se espantar!

Minutos antes de me preparar para começar a escrever sobre as impressões acerca do Humanidade 2012, a TV estava ligada naquele que é o mais importante jornal televisivo do Brasil. Apesar de minhas dúvidas quanto à sua idoneidade, fica difícil negar que a opinião de Bonner e companhia sirva para terminarmos de formar uma opinião. Pois eu precisava da cereja do bolo para publicar estas palavras.

O Humanidade 2012 (e, creio eu, a tão esperada Rio+20) veio para ajudar muito pouco a sociedade. No Forte de Copacabana foi erguido um elefante branco, uma estrutura gigantesca, um emaranhado de andaimes e engenhocas, capaz de nos levar ao céu, de onde podemos ver, abismados, a paisagem estarrecedora da cidade maravilhosa: o Cristo Redentor, à direita, vem acompanhado pela praia de Copacabana, pelas favelas, pelos prédios de luxo, pelos hotéis caríssimos e, enfim, pelo Bondinho do Pão de Açúcar. Fechando 360º de cenário idílico, o mar abre-se à nossa frente – enfeitado com barcos da Marinha brasileira -, quebrando nas pedras logo abaixo da base que sustenta 40 metros de altura (equivalente a um prédio de 6 andares) do espaço montado para o evento.

Dentro do forte Humanidade, líderes, ministros, deputados, prefeitos… Todos os mais importantes homens e mulheres desse país se reúnem para discutir políticas de melhoria da vida em sociedade. E digo que todos estão lá, porque estão! Seja em cima do púlpito, discursando a favor ou contra temas diversos, seja nas cadeiras e dentro dos espaços expositivos, onde encontramos os cidadãos comuns, que receberam o direito de sentarem-se à direita dos todos poderosos.

Basta apenas um acesso à página oficial do evento e para entender-se a magnitude dessa iniciativa de grupos parceiros. Eles recebem o mérito de terem criado um lugar ímpar, símbolo do desejo de bilhões de terráqueos, que esperam ansiosamente por melhorias na qualidade de vida do planeta. Passeando entre o labirinto faraônico montado na ponta da praia de Copacabana, nós, visitantes, temos a chance de participar de um acontecimento histórico. E ainda levamos para a casa a recordação de termos vivenciado a experiência de compartilhar sentimentos dentro das salas montadas por Bia Lessa.

Aliás, se há alguém que também caprichou, foi a cenógrafa. Seria de uma felicidade tamanha se aquelas 16 instalações artísticas (com suas artimanhas, painéis, montagens e emaranhados de ideias representativas) fossem levadas para outros lugares do país. As exposições deviam mesmo ganhar o mundo, superando as fronteiras de um evento que pretende-se global e democrático.

De tanto ler os versos bonitos de nossos poetas, de tanto conhecer dados e mais dados a respeito da vida no Brasil e em todo o planeta, de tanto me deslumbrar com peripécias artísticas detalhadamente montadas para encher os olhos, saí do Humanidade 2012 encantada.

Pena que o encanto tenha durado o tempo de cair na real, percebendo que palavras soltas ao vento não movem moinhos. Qual um Dom Quixote apaixonado, teóricos e experts em assuntos variados discutem os rumos da vida na Terra… E os encarregados de fazer acontecer parecem enebriados pela sensação de terem o poder nas mãos. Pena vê-los desperdiçar tal sorte!

*Débora Nobre, Revisora de Conteúdo Web na Agência Digi, viajou a convite do CJE (Comitê de Jovens Empreendedores), ligado à Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. O CJE é cliente da Digi, responsável por produzir conteúdo para seus perfis nas Redes Sociais.

A opinião expressa neste artigo é estritamente pessoal, não representando a opinião do CJE, da Fiesp, ou da Agência Digi.

Para ilustrar um dos discursos de abertura de Fóruns e Conferências, gravei um pedacinho mínimo da engajada fala de Izabella Teixeira, Ministra do Meio Ambiente e ex-ministra-chefe da Casa Civil. Ela falou bem, falou bonito! Pena, outra vez, que tenha deixado o recinto antes mesmo de discutir as políticas para garantir a “Equidade de Gênero”. O evento aconteceu no dia 15 de Junho de 2012, cuja programação pode ser conferida aqui.