Tags

Falar em produção colaborativa é fácil… O negócio é colocar a mão na massa e inventar um jeito desse negócio funcionar!

Pois é o que faz a Lego, que produz o brinquedo mais importante da história. E isso não é pouca coisa não. Em uma pesquisa realizada no Reino Unido, três mil adultos entre 20 e 40 anos responderam que os bloquinhos que marcaram a nossa infância são mais relevantes do que os Transformers, o Game Boy e a Barbie. Apenas a Barbie não precisa ficar tão triste com sua colocação, pois o público consumidor de Lego é formado em 80% por homens.

E esse é apenas um dos motivos que mantém o Lego entre os preferidos da garotada ainda nos dias de hoje. O outro é justamente essa tal de produção colaborativa, pela qual podemos montar um projeto próprio e a empresa nos envia o brinquedinho com a nossa cara. Pena que eles não fazem entregas para o Brasil…

Fatos e fotos

Vamos às outras características especiais do Lego. A empresa e seu fundador, Ole Kirk Christiansen, começaram a produzir brinquedos de madeira em 1932. Porém, a partir dos anos 40, a Dinamarca sofreu com a falta de madeira no mercado. E assim surgiu o chamado “sistema Lego”, bloco clássico inventado em 1958, que permite a junção das peças a despeito da coleção, do tipo ou anos de fabricação.

Já nos anos 90, o balde que guarda as peças de Lego foi outro acerto da empresa. Mas o sucesso não evitou que sua produção fosse interrompida. E esse acabou sendo o símbolo da má fase da empresa na virada do século. O final dessa história todos já sabem: a Lego ressurgiu das cinzas, retomou a produção dos baldinhos emblemáticos e até hoje milhares de crianças e adultos se divertem montando desde humildes casinhas até megalópoles cosmopolitas.

The End

Hoje, são fabricados mais de 2,5 mil modelos de pecinhas com 55 cores diferentes. Contudo, o mais impressionante é o fato de que a peça que você comprou ontem na loja se encaixa perfeitamente naquela usada lá… em 1958! Isso é o “sistema Lego” de qualidade.

Aliás, se colocássemos lado a lado todas as peças vendidas, dentre 31 bilhões que são feitas em quatro fábricas ao redor do mundo, conseguiríamos dar a volta ao mundo cinco vezes!

Fazendo arte

Tanta brincadeira ultrapassa os limites do universo infantil. Apaixonados pelo Lego, artistas investem tempo e criatividade inventando obras dignas de um lugar no museu. Tudo devidamente apoiado e patrocinado pela empresa, que expõe essas raridades em seu site.

Um desses talentos reconhecido pela Lego é Nathan Sawaya, autor da homenagem à cidade de Nova Orleans, EUA, devastada pelo furacão Katrina em 2005. A série retrata fielmente a arquitetura e a beleza da cidade.

Mas o primeiro artista a ganhar o “certificado de profissional da Lego” foi Sean Kenney. Ele é o criador da escultura mostrada na foto abaixo, encomendada por Larry Page e Sergey Brin, fundadores da Google, também fãs de carteirinha do brinquedo.Photo of Google logo (floating)Photo of Google logo (floating)

Vira e mexe Sean cai nas graças de alguém. Por isso, recebe centenas de encomendas, que chegam a valer mais de 12 mil dólares. É o caso da bela “Bicicleta Triunfa no Tráfego”, todinha feita com os pequenos bloquinhos coloridos.

Photo of Bicycle triumphs trafficPhoto of Bicycle triumphs traffic

Fonte: Superinteressante

*Texto escrito para o blog da Rae,MP