Tags

, , , , , , , , , , , , ,

A partir de agora, o Pelo Brasil, Pelo Mundo mergulha de cabeça em um ponto do outro lado do Oceano Atlântico. Depois da Copa do Mundo do ano passado e de tanta empolgação em torno do país, cheguei à África do Sul ontem para explorar lugares nunca antes imaginados.

O lar doce lar será a Cidade do Cabo, base escolhida para aventuras diárias, onde devo mostrar as belezas daqui, com os costumes e a cultura de um povo bonito e sorridente. Sim, em menos de 24 horas já deu para ver muita coisa…

 

No ar

As primeiras impressões começaram dentro do avião. Já viajei por inúmeras companhias aéreas, mas nem nos tempos áureos da querida Varig vi comida tão boa quanto a da South African Airways. Tentando não exagerar, a carne do jantar parecia feita por minha avó. E só um arquiteto meticuloso seria capaz de colocar tanta coisa dentro daquela bandejinha que eles usam dentro do avião… Tinha chocolate, torradinha, cream cheese, chá, suco, bolo de coco. E há a hipótese até deles servirem carneiro no avião. Pelo menos foi o que ouvi falar por aqui.

O único adendo a ser feito é, obviamente, o tamanico do espaço que temos para nos acomodar. Como são apenas 8 horas de voo, nem precisamos nos preocupar em dormir ou tirar um cochilo. Melhor guardar essa pausa para a noite, quando devemos entrar no fuso-horário – 5 horas a mais que no Brasil. Também porque a opção de joguinhos, séries de TV, músicas é tamanha, que o tempo pode ser muito bem usado para a diversão pré terra firme. Só de filmes eram 25! E propositadamente, assisti a Invictus antes de pisar em solo africano.

Salve simpatia

Ao desembarcar, hora de correria para não perder a escala. Com a bagagem viajando em avião separado, vivi a pior expectativa que existe no mundo: ver sua mala chegando pela esteira rolante do desembarque. Ou não…

Pois é, ela não veio. Mas chegou quase uma hora depois, mas chegou viva. Ufa! Nesse trâmite por tê-la em meus braços, vi que os funcionários do aeroporto podem ter humor variado. À primeira vista, aqui se parece um pouco com o Brasil. Há gente querendo te ludibriar, há gente disposta a te ajudar ao primeiro grito de socorro. Por isso, é sempre bom manter-se alerta, só por via das dúvidas.

Fish and chips

Voltando a falar de comida, acho que esse é item preponderante quando fazemos decidimos se gostamos mesmo de um lugar. Porque se não adaptamos nosso paladar, fica difícil ver o mundo colorido. E essa é a parte boam pelo menos para quem gosta de peixe. O hake e os frutos do mar são os  pratos básicos da alimentação na África do Sul. E são deliciosos. Algo me diz que vou passar 45 dias matando toda a vontade de comer uma comida rara e saudável, ao menos uma vez por dia. Pois em outros momentos, eles gostam mesmo de fritura, pão (que é especial também), fast foods… 

Enquanto mudo de país, começa uma outra avetura: a gastronômica. E talvez essa seja uma das melhores partes quando nos jogamos em um intercâmbio. A surpresa maior é sabermos como a vida estará quando agosto terminar. Espero que tenha muita coisa para contar e novidades boas para mostrar por aqui. Welcome to South Africa!