Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Imagine uma exposição todinha dedicada ao humor. Imagine um espaço onde as pessoas podem tirar uma folga da correria de mais um dia de trabalho. Agora imagine isso dentro do maior parque da cidade de São Paulo…

Ontem começou a segunda edição do Risadaria, um evento com ares de super-produção abrigado dentro do pavilhão da Bienal, no Parque do Ibirapuera. Com patrocínio, apoio e colaboração de várias grandes empresas, o encontro da comédia oferece diversas atrações até domingo.

Comprando o ingresso pelo preço de R$ 30,00 (R$ 15,00 a meia-entrada), você terá o direito de visitar o pavilhão e ver os documentários exibidos em uma sala de cinema montada para receber também debates a respeito do fazer humorístico. Além disso, poderá acompanhar apresentações de teatro e stand-up comedy. Se quiser assistir aos shows especiais da turma do É Tudo Improviso, Improvável e tantos outros artistas conhecidos da “nova geração”, você precisa comprar outra entrada, cujo preço varia entre R$ 70,00 e R$ 100,00. Isso se ainda tiver sobrado algum ingresso…

O evento em si parece prometer mais do que cumpre. É bacana conhecer um pouco mais sobre a história do Jô e rever episódios de seus programas. Mas haja paciência e tempo sobrando para ficar diante de telas e mais telas de televisão… Além disso, a parte dedicada ao Rádio poderia ter sido montada para propiciar uma maior interação com o público. Ouvir programas antigos de rádio também não prende muito a atenção das pessoas.

Porém, se a idéia é aproveitar um passeio ao parque, e então visitar o Risadaria, está valendo! Neste caso, aconselho fazer a visita pela manhã. Os filmes são exibidos das 10:45 até às 17 horas, mais ou menos. Hoje, por exemplo, a primeira sessão atrasou meia hora. Sorte que o filme era fantástico.

Na verdade, fui até lá especialmente para ver “O Abraço Corporativo”, documentário muito comentado durante seu lançamento, no ano passado. E merece a crítica que recebeu. Não adianto o assunto porque senão estragaria a surpresa do filme.

Como o espaço tem restaurante e lanchonete, você pode almoçar por lá mesmo e engrenar uma ou duas apresentações à tarde, sempre das 12:30 até depois das 21 horas. A lista com horários e show pode ser vista no site do evento.

Depois, caminhe pelo espaço dedicado à história das tirinhas publicadas em 90 anos do jornal Folha de S. Paulo (espaço este que poderia ter sido melhor aproveitado). Na rampa, há duas exposições: de um lado, cartunistas foram convidados a demonstrar sua admiração ao nariz, em desenhos bem-humorados; do outro, painéis mostram bem pouquinho dos cartuns criados por Luiz Fernando Veríssimo e Reinaldo, do Casseta & Planeta.

Atrás do teatro, na entrada, alguns quadros mostram a arte do grafitti. Pouca coisa também… E, por fim, um cantinho foi reservado para o humor na fotografia, com pufes espalhados pelo chão e livros à disposição do público. No frigir dos ovos, e sem ter visto nenhum espetáculo, a ode ao humor deixou a desejar.