Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

O centro de São Paulo continua me surpreendendo. Não sei se todos já sabem, mas faço parte de um grupo de jovens que passam parte do final de semana mostrando as belezas da cidade para turistas estrangeiros. O site chama-se Rent a Local Friend, e a iniciativa agrada pela inventividade e simplicidade da ideia: que tal alugar um amigo por um dia? Sim, que tal poder ver os lugares desconhecidos pelo olhar de quem mora na cidade e vive aqueles lugares no seu dia a dia?

Então… Com o Rent a Local Friend, ficamos incumbidas de passear por São Paulo e escolher a dedo os locais que vamos apresentar aos nossos amigos e amigas internacionais.

E não é que, a cada passeio, uma nova aventura se desdobra? Hoje me peguei com lembranças do feriado de Corpus Christi, quando nos vimos cercados por uma procissão calorosa em plena Rua Direita. A intenção era apenas enfrentar menos gotas de chuva e cruzar o caminho entre a Catedral da Sé e o Vale do Anhangabaú. Pois 20 minutos de atraso no passeio nos brindaram com uma deliciosa surpresa: experimentar uma das maiores demonstrações de fé da Igreja católica, quando os padres (ou bispos…) são levados pelos fieis, carregados em cima de pequenos tronos. Entoando cânticos típicos de suas devoções, as pessoas vão caminhando lentamente, passo a passo, esfumando o ambiente com o incenso característico das igrejas, até chegarem ao destino final.

Eu achei curioso estar enfrentando a chuva e de repente me deparar com um ato religioso, e fazer parte dele. Já os turistas equatorianos… Bom, eles adoraram e tiraram mil fotos daquelas “pessoas estranhas vestindo branco”. Ok, a procissão virou ponto turístico…

Assim como o comício de um domingo, quando um partido político grande ia apresentar seus candidatos às próximas eleições. Nas duas ocasiões, os palcos armados na Praça da Sé cercavam o Marco Zero, mas pelo menos ajudavam a espantar os perigos de caminhar pela Praça da Sé logo cedo. No comício, foi a vez das bandeiras dos candidatos e das camisetas temáticas chamarem a atenção do casal canadense. Aquele era mesmo um domingo atípico e especial para os turistas: primeiro, viram como vivenciamos a política no Brasil; depois, puderam perceber o estilo de vida de parte da juventude do país, que empunhava skates e mais skates naquele domingo nublado.

No Vale do Anhangabaú tomado por skatistas, precisei saber qual era o motivo especial para estarem ali, aos montes! “Ué, hoje é o Dia Internacional do Skate”, retrucou o adolescente, indignado por eu desconhecer tão solene data. Pois sabendo que estavam reunidos para comemorar, atravessamos o Vale do Anhangabaú nos desviando de manobras radicais.

Em comum dentre tantos domingos, apenas as lúdicas estátuas de um inglês criativo e inteligente. Não me canso de contar quantos suicidas estáticos o centro de São Paulo já ganhou até agora…

(O autor da instalação genial é Antony Gormley. Achava que havia apenas 10 estátuas, mas são quase 30 espalhadas no alto dos prédios! A exposição com outras estátuas no artista no CCBB de São Paulo também está incrível!)